Veg-cation

Creta – Uma interminavel história de amor e muita vitamina D

FacebookTwitterGooglePinterest


Creta…

Uma história de amor.

É difícil para mim começar um parágrafo sobre a esplêndida e serena ilha de Creta … simplesmente porque não importa o que eu diga, não importa quantos adjectivos empregue, nunca farão justiça ao quão especial esta ilha é. 

É com toda a certeza um dos lugares mais tranquilos e pacíficos do mundo, é uma combinação de história, paisagem, clima, comida e tradição de hospitalidade sem possível comparação.

Gosto tanto mas tanto de tudo o que tenha a ver com este sítio que até a própria língua é música para os meus ouvidos (e confesso que até me aventurei a tentar aprende-la e ainda não desisti! Enfim, lá chegaremos.)

Kalimera” o cumprimento matinal oficial, é o que mais se ouve, sempre acompanhado de um sorriso e de um “apó pou eísai” (ou seja, “de onde vem?”).
Kalimera, pronunciado “kali mérah”, ou “bom dia”, é convidativo o suficiente para me fazer querer voltar ano após ano.

Falemos então da magnífica gastronomia Cretense.

Irei focar-me na zona de Elounda (onde passo a maioria do tempo quando estou em Creta – já visitei outras ilhas, outros lugares, mas nenhum é tão especial quanto Elounda, nenhum me marcou tanto ao ponto de querer escrever sobre esse sítio e ao ponto de lá querer voltar literalmente todos os anos!)

Em Elounda, um vilarejo piscatório aquecido pelo Mediterrâneo, vai ser difícil encontrar um restaurante exclusivamente vegetariano / vegan …

Contudo a vantagem da cozinha grega é que a maioria dos seus pratos tradicionais são naturalmente vegetarianos. O truque é concentrarmos-nos nas variadas e típicas mezzes (conjunto de appetisers ou entradas). Desta forma, iremos certamente conseguir uma refeição nutritiva, completa e especialmente deliciosa. Eu até costumo dizer que, para mim, as entradas (ou estes mezzes) são suficientes … nem sequer preciso ver o restante menu ou a carta de pratos principais.

Mas não esquecer que: quando na Grécia há que experimentar a famosa mousaka vegetariana. Esse prato que dispensa apresentações merece ser provado quando é feito de forma tão autêntica pelos “locais”.

Passemos então aos meus “cantinhos” de eleição:

  •  Kanali – Na mais idílica localização… quase que podemos sentir o salpicar de água quando um barco se aproxima. Acreditem, aqui vão entrar numa outra dimensão, uma tranquilidade e beleza sem comparação, super bem acompanhado pelo serviço que, para além de excelente, acolhedor e convidativo é o cenário ideal para um almoço leve em dias quentes de verão.
    Aqui a comida é fresca, caseira, feita no momento e tãoooo saborosa. Peçam o que pedirem não tem como sair deste sitio desapontados. Vegetarianos ou não vegetarianos,  tudo o que vier à mesa será bem vindo. Aqui sugiro novamente um prato variado de mezzes onde não podem deixar escapar o húmus e o patê de favas e beterraba. Abusem das saladas e deixem-se embalar pela paisagem (não vale adormecer, mas vontade não vai faltar porque garanto não haver sítio mais sereno e imperturbável…)

Kanali

 

Terminando a refeição, reservem algum tempo para explorar os arredores desta península banhada pelas águas quentes da baía de Mirabello. Molhem os pés enquanto esperam pela comida, mergulhem caso haja tempo e investiguem o ilhéu – vai valer a pena uma caminhada até a praia de Kolokhita (e mais não posso desvendar, mas garanto que a surpresa vai valer a pena ;)).

O tempo aqui conta-se diferente… o tempo aqui não se conta, não se deixa perturbar, absorve-se e deixa-se passar.

Outros sítios que não podem perder são o restaurante Katafygio e Ergospacio (ambos os restaurantes apresentam comida típica grega no mesmo pontão, contudo os espaços são bastante diferentes a pesar de ambos terem a mesma localização e à beira-mar, os preços vão ser factores diferenciadores):

  • Katafygio é um pouco mais acessível, apresentando pratos mais rústicos num espaço mais antigo e tradicional. Tem espectáculos de música e dança grega tradicional ao vivo todas as noites (e preparem-se para participar na apressada dança do zorba, não fiquem acanhados, aproveitem o momento é juntem-se ao grupo pra queimarem as calorias do jantar) 🙂
  • Ergospacio com um cenário mais requintado mas não menos tradicional é o espaço perfeito para uma ocasião especial – nada melhor que jantar com os pés nas águas tranquilas e quentes da baía de Elounda e com vistas de perder o fôlego para a mágica a ilha Spinalonga (* Obrigatório visitar! Podem ler mais sobre este sítio no best-seller da autora britânica Victoria Islop “A Ilha”).

    Ergospacio

 

Entre estes dois sítios, a comida, o serviço os pontos de vista são ambos idênticos, e não posso deixar de destacar o Nikos (no Katafyigio) e o Manolis (no Ergospacio) pelo seu espectacular serviço, simpatia e conhecimento partilhado sobre a ilha. 

Com o tradicional mezze vegetariano nunca se fica mal – tal como já referi, as opções são imensas:

  • patê de fava,
  • de grão-de-bico,
  • de beringela,
  • de beterraba,
  • cuscuz enrolado em folhas de videira,
  • as saladas, etc…

Mais alguns detalhes ( dicas úteis):

Absolutamente fundamental, é experimentar a bebida tradicional Cretense – o chamado “Raki“. Mas estejam preparados para uma explosão de sabores … esta bebida é desaconselhada a cardíacos. Semelhante à agua-ardente portuguesa, esta bebida é normalmente preparada pelos locais numa mistura de outros licores doces, sendo o digestivo natural da região – vale a pena aceitar quando no final de uma refeição servirem esta bebida.  

Além disso, certificar-se sempre (e eu realmente quero dizer SEMPRE!) de trazerem dinheiro convosco. Devido à crise, 99% dos lugares não aceitam pagamentos com cartão.

Duas praias fantásticas que não podem deixar de “investigar”: Kolokytha em Elounda (já mencionada em cima) e a Golden Beach na ilha Cryssi. A ilha de Cryssi é uma jóia natural no ponto mais a sudeste da Europa e não encontrarão restaurantes nem bares que sirvam comida vegetariana (assim aconselhamos a que se prepare uma marmita!).

Ilha de Cryssi

Para além disso, não deixar de visitar a romântica e bucólica aldeia de Plaka, a apenas cinco minutos de distância da vila de Elounda. Deixem-se maravilhar  com as  vistas para a ilha de Spinalonga.

Plaka

 

Ilha de Spinalonga

Desconectem-se da realidade.

Aproveitem o calor.

Reconectem-se com a natureza.

E aproveitem ao máximo a preciosa e amplamente disponível Vitamina D (para saber mais sobre este assunto, consultem este artigo sobre “como manter os níveis saudáveis de vitamina D”).

Xx

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply